sábado, 23 de agosto de 2008

Agnósticos têm pés de barro...



“Porque agora vemos por espelho em enigma, mas então veremos face a face; agora conheço em parte, mas então conhecerei como também sou conhecido” (1 Co 13:12).


Seu Téo não acreditava em Deus, e gostava de falar sobre isso. Como prova de sua convicção repetia invariavelmente: alguém já viu Deus, ouviu sua voz, tocou nele?

Alguns teistas replicavam que a lua, as estrelas, o mar,o sol, a chuva,os dias que se sucedem, o universo, o desabrochar de uma flor,são provas da existência de Deus.

Seu Téo contra argumentava, eu acredito na lua, nas estrelas, no mar, na chuva porque os vejo, ou toco, ou sinto seu cheiro...,e o universo nasceu de uma grande explosão, os dias se sucedem por causa do movimento da terra, o próprio homem é resultado da evolução das especies.Eu em outras eras fui macaco, um tal de Darwin explica isso muito bem...

Todas as manhãs ocorriam tais embates, no local de trabalho de seu Téo - uma sapataria, onde ele confeccionava alpargatas e botinas. Diga-se de passagem, que sua produtividade não era abalada pelos debates, de cabeça baixa enquanto cortava, costura suas peças, ou batia pregos, Seu Téo discorria mansamente. E que fique claro, Seu Téo era muito educado e inteligente, tinha estudado em colégio de padres. Na sua modesta casa tinha num canto da sala uma estante com livros amarelecidos pelo tempo, era neles que seu Téo buscava apoio para sua descrença.

Aquele local de trabalho e de debates era frequentado por três grandes amigos de seu Téo: um crente fervoroso, um espirita, e um terceiro que não sabemos, ou identificamos, seu credo, creio que era um cético, pois apenas ria-se com o canto dos lábios, ora meneava a cabeça em sinal de aprovação ou de desaprovação.

Eventualmente apareciam clientes, ou interessados nos debates, ou ainda alguém que tinha curiosidade em conhecer um ateu, e ficavam impressionados com o tom respeitoso dos debates. Algumas ocasiões havia só perguntas, a parte adversa pedia respeitosamente para responder só dia seguinte. No dia seguinte, certamente haveria expectadores.

Seu Téo, se explicava: Nunca vi, não sei onde mora, nunca fomos apresentados, nesses meus sessenta anos de idade nunca ouvi falar de alguém que o hospedou, recebeu carta, telegrama, ou telefonema de Deus, enfim ninguém nunca o viu.

Os moradores do povoado tinham uma certa complacência com Seu Téo, seus pais faleceram quando ainda era criança, quando estudante interno fora muito reprimido pelos padres, não casara, nem tivera filhos...

Numa dessas manhãs pasmacentas, uns gritos aflitos quebraram a monotonia rotineira. Todos saíram do interior de suas residencias, ou das lojas e acorreram em direção aos gritos. Encontraram um pequeno grupo de homens; cachorro louco, diziam todos ao mesmo tempo, vamos atrás, cachorro louco...

Alguns homens apareceram com suas velhas espingardas, revolveres e até porretes e saíram em disparada na direção que supostamente o cachorro louco tomara. Seu Téo juntou-se ao grupo.

Olha lá, é cachorro, o cachorro louco...Alguém dispara um tiro e,...oh céus, a bala se alojou no pé de Seu Téo.

Atônito, Seu Téo, choraminga: por quê comigo? Depois eleva a voz: Ai Deus, sempre fui bom filho, bom amigo, bom empregado um bom cidadão, por quê comigo?

Passadas as primeiras horas, já medicado, seus três inseparaveis amigos foram visitá-lo.

Então Téo, acreditas em Deus, pois hoje tu o chamastes em alto e bom som.

- Eu o Chamei?
- Sim, todos ouviram.
- Força de expressão...
- Quer dizer que, você é o mesmo velho ranzinza de sempre, e que nem mesmo o risco de morte o fez mudar de idéia a respeito de Deus.
- Eu só acredito naquilo que pode passar pelos meus sentidos, não vi, não ouvi, não toquei Deus.
- Vamos mudar de assunto disse o cético. Sentiste muita dor?
- Ah, é impossível descrever a dor, a primeira impressão é que fui atingido por uma montanha de ferro, e depois o calor e o ardor é tamanho que parece que atolei o pé numa lava incandescente de um vulcão.
- Pois eu acho, diz o crente, que não há dor nenhuma.
- O quê, estás a duvidar de minha palavra? Se digo que estou sentindo dor, é verdade.
- Vistes a dor, sua cor, seu tamanho?
- Claro que não.
- E como tens certeza que a dor existe?
- Eu posso senti-la.
Fez-se silêncio profundo na saleta.
Após alguns minutos de silêncio Seu Téo diz: entendi, muito convincente seu argumento, me curvo.
Os amigos de Seu Téo sempre tão comedidos não se contém de alegria, dão urras e vivas. Viva o cachorro louco! Viva a bala que atingiu o pé de Seu Téo! Viva a dor, que Seu Téo sente, e só ele sente! Viva Deus, que não vemos, mais o sentimos!
Alto lá, vamos parando, não exagerem... diz seu Téo.

- Mas o Senhor acabou confessando que crê. Se crê não é mais ateu ....
- E verdade, não sou mais ateu. Agora sou Agnóstico.
- Agui o quê?
- A- G-N-O-S-T-I-C-O!

Pois é, a noticia da "conversão" de seu Téo espalhou-se, as pessoas comentavam: Seu Téo não é mais ateu, mas também não é católico...
Eu tinha , então nove anos, e vi Seu Téo sendo amparado por seus amigos, e se lamuriando pelo tiro de raspão que levara no pé.

Fiquei dias e dias a pensar no fato. Se ele acreditasse em Deus, será que desacreditaria ao levar um tiro de raspão? E, se em vez de ser no pé, fosse em um orgão vital, será que antes de dar o ultimo suspiro ele diria: Ó Deus...; que nova religião era essa que ele agora dizia ser seguidor? Agnóstico, será alguém que acredita em Deus, mas não gosta de padres?

Trinta anos depois, vi um candidato a Presidente da República perder as eleições, respondeu em rede nacional, quando perguntado se acreditava em Deus, que era Agnóstico. Ele mesmo deu-se um tiro no pé...




Um comentário:

Laguardia disse...

Amigos.
Não sou jornalista nem escrevo bem.
Sou aposentado, recebendo do INSS e tendo o IR descontado na fonte. Não recebo as benesses de nosso apedeuta mor que tem pensão do INSS acima do máximo, isento de Imposto de Renda por se achar perseguido político, ou melhor, por se anistiado político.
Luto com as armas que tenho que é um blog, como forma de desabafar ao ver tanta roubalheira, falta de ética, falta de honestidade e principalmente falta de vergonha na cara desta quadrilha que tomou de assalto o Palácio do Planalto.
Quero convidar os amigos a participarem da minha forma de protesto, o blog Brasil – Liberdade e Democracia - http://brasillivreedemocrata.blogspot.com/.
Se não levantarmos nossas vozes em protesto o que será deste país para nossos filhos e netos?
Agora é a hora de lutarmos por uma pátria livre democrática, e sobre todo com governantes honestos e éticos.